9 de julho de 2017

PASTORES CATEDRAIS





É notório o número de igrejas evangélicas que vem absorvendo a forma do mundo. Na verdade, a igreja evangélica tem se organizado e vivido como mais uma instituição moderna no mundo. Atualmente as atividades eclesiásticas não são procuradas por pessoas que desejam ter uma vida modesta, mas por pessoas ambiciosas que enxergam no ministério uma forma de enriquecimento financeiro. Hoje, o pastor é avaliado pela sua capacidade de levantar dinheiro através da enganação e esfoliação de suas ovelhas e não pelas vidas que são transformadas pela pregação do Evangelho. As igrejas tem se transformado em empresas lucrativas, pois a visão está no lucro, no mamon e, as ovelhas ludibriadas, se comportam como clientes de produtos religiosos. A igreja do Senhor Jesus Cristo é edificada por Ele mesmo para a glorificação de Deus Pai, libertação dos cativos e pregação do Evangelho para arrependimento e salvação eterna de todo aquele que crê. Sua missão é prover meios de adoração ao Senhor e anunciar a salvação. Portanto, a igreja não depende de nenhum modelo empresarial.

Atualmente há um desejo exacerbado de se fazer igrejas suntuosas. Parece que para cultuar a Deus é necessário muita tecnologia e luxo. Na visão de muitos pastores, igreja bem sucedida se mede pelo prédio e pelo número de pessoas que comparecem ao culto aos domingos. Neste contexto, esses homens mergulham de cabeça no evangelho quantitativo e de interesse pessoal onde o aparato dos templos ocupa suas mentes corrompidas. Esses réprobos pastores estão tão preocupados com cimento, ferro, pedra, areia, granito, porcelanato, poltronas e vitrais que não fortalece a ovelha fraca, não cuidam da doente e nem vai à busca da perdida. As ovelhas necessitadas foram esquecidas e trocadas pelo luxo, pelo conforto, pela aparelhagem e pelo glamour dos templos. A visão mercenária desses homens é tão forte que para eles é insensato deixar noventa e nove ovelhas no aprisco e sair para buscar apenas uma. Esquecem esses mercenários que o verdadeiro pastor se entrega e se gaste em benefício das ovelhas de Cristo.

Com diploma de “teólogo” obtido em faculdades teológicas de fundo de quintal, os pastores das catedrais suntuosas têm habilidades suficientes para exercer a direção de uma grande empresa secular, nunca para exercer o pastorado de uma igreja. Eles constroem seus mega-templos não para que o Senhor seja glorificado e vidas sejam transformadas, mas para exercerem influência, ter poder sobre as pessoas, se gabarem e viverem nababesca. A biblicidade em suas pregações é ínfima. Pregam um evangelho aguado, uma graça barata, uma doutrina pervertida levando as pessoas a crerem que podem ir para o céu sem santidade. Colocam a obediência como opção ao invés de requisito. Os “pastores catedrais” são homens desengonçados e desconhecedores da Teologia Bíblica, ensinando o que não sabem, atropelando o Novo Testamento com um Antigo Testamento descontextualizado. Inventaram uma tal de quebra de maldições hereditárias negando a suficiência do sangue de Cristo derramado na cruz do calvário.

Na época de Jesus uma multidão de pessoas circulava pelo templo de Jerusalém, mas não percebiam a blasfêmia do livre comércio estabelecido na porta do templo. Hoje não é diferente. Os mega-templos são verdadeiros Shoppings Centers. Vende-se de tudo: CDs, revistas, ingressos, rifas, camisas, bijuterias, comidas. E, a justificativa dos “teólogos de fundo de quintal” é que os tempos mudaram. Os mega-templos tem sido um ambiente perfeito para desabrochar a ambição e o oportunismo. Estão sempre cheios de cantores idólatras de si mesmos que venderam suas almas ao principado deste século de glamour e ovações. Os sermões dos “pastores catedrais” sempre em tom positivo se juntam ao louvor insosso, sem expressão e infantilizado dos cantores-astros. Essa é a estratégia de Satanás para ganhar a igreja.

Uma técnica dos “pastores catedrais” para encher seus templos faraônicos são as campanhas anunciadas pirotecnicamente do tipo “Destruindo muralhas”, “Afiançados para vencer”, “Sete passos para o sucesso”, “Mapeamento espiritual”. Quando indagados sobre tais campanhas dizem que são estratégias de Deus para ganhar o mundo. Na verdade, essas campanhas são estratégias do maligno para manter o povo que já está no caminho do fogo eterno no analfabetismo bíblico.

No intuito de perpetuar o patrimônio construído, os “pastores catedrais” investem em suas respectivas esposas atribuindo-lhes títulos antibíblicos de pastoras e bispas. Na verdade, esses títulos é uma medida preventiva para assegurar as finanças acumuladas em suas contas bancárias surripiadas de suas ovelhas. Caso haja uma eventual tragédia que possa culminar na morte do “pastor catedral”, o risco de transferência de suas fortunas para outrem está eliminado.

É urgente restaurar o verdadeiro sentido de igreja. Precisamos de uma Nova Reforma Protestante no interior das consciências para que a igreja seja o que o Senhor planejou para ela: comunidade amorosa de verdadeiros servos e servas cheios do Espírito Santo.

Ir. Marcos Pinheiro

29 de junho de 2017

Currículo do Apóstolo Paulo

Conta-se que o Apóstolo Paulo enviou seu currículo para pastorear uma certa denominação do seculo XXI. Depois de algumas semanas, o Secretário da igreja  escreveu-lhe esta carta, justificando por que não poderia aceitá-lo.
 
Ao Apostolo Paulo

Roma, Itália                                                  

Caro Sr. Paulo:

Recebemos recentemente seu currículo, Fizemos uma pesquisa exaustiva no seu caso. Para ser bem claro, estamos surpresos que o senhor tenha conseguido até aqui "passar" como missionário independente.

Em Antioquia, o senhor provocou um entrevero com Simão Pedro, um pastor muito estimado na cidade, chegando a repreendê-lo em público. O senhor provocou tantos problemas que foi necessário convocar uma reunião especial da Junta de Apóstolos e Presbíteros em Jerusalém. Não podemos apoiar esse tipo de atitude, os problemas relacionados aos pastores tem que ser realizados dentre quatro paredes.

Em sua carta à igreja de Filipos, o senhor admite que aquela seja a única igreja que lhe dá algum suporte financeiro. Não entendemos o porquê, já que serviu a tantas igrejas.

É verdade que já esteve preso diversas vezes? Alguns irmãos nos disseram que passou dois anos na cadeia em Cesaréia e que também esteve preso em Roma, e em outros lugares.
Não achamos adequado que um pastor da nossa Junta tenha folha corrida na Polícia, mesmo sendo por defender questões doutrinárias, pastores tem que ter boa reputação.

O senhor causou grandes e muitos problemas para os artesãos em Éfeso que eles o chamavam de "o homem que virou o mundo de cabeça para baixo". Sensacionalismo é totalmente desnecessário em Missões. Deploramos, também, o vergonhoso episódio de fugir de Damasco escondido em um grande cesto.

Estamos admirados em ver sua falta de atitude conciliatória. Os homens elegantes e que sabem contemporizar não são apedrejados ou arrastados para fora dos portões da cidade, tampouco são atacados por multidões enfurecidas. Alguma vez parou para pensar que palavras mais amenas poderiam ganhar mais ouvintes? Remeto-lhe um exemplar do excelente livro "Como Ganhar os Judeus e Influenciar os Gentios", de Dálio Carnego. .

Percebemos que é dado a fantasias e visões. Em Trôade, viu "um homem da Macedônia" e em outra ocasião diz que "foi levado até o Terceiro Céu e que ouviu palavras inefáveis". Afirma ainda que viu o Senhor e que ele o confortou. Achamos que a obra de evangelização mundial requer pessoas mais realistas e de mente mais prática, não existem mais revelações e visões.

Em toda a parte por onde andou, o senhor provocou muitos problemas. Em Jerusalém, entrou em conflito com os líderes do seu próprio povo. Se alguém não consegue se relacionar bem com seu próprio povo, como pode pastorear  nossa igreja? O importante é pregar a Cristo e não usos e costumes.

O senhor admite que enquanto esteve preso em Roma, "todos o esqueceram". Os homens bons nunca são esquecidos pelos seus amigos você deve ter falando algo que os machucou Três excelentes irmãos, Diótrefes, Demas e Alexandre, você praticamente os expulsou da igreja.

Soubemos que teve uma discussão amarga com um colega missionário chamado Barnabé e que acabaram encerrando uma longa parceria. Palavras duras não ajudam em nada a expansão da obra de Deus, vamos dar o que as pessoas querem ouvir e assim ganha-las para Cristo.

O senhor escreveu muitas cartas às igrejas onde trabalhou como pastor. Em uma delas, acusou um dos membros de viver com a mulher de seu falecido pai, o que fez a igreja ficar muito constrangida e a excluir o pobre rapaz, não faça isso deixa Deus agir quando quiser.

O senhor perde muito tempo falando sobre a segunda vinda de Cristo. Suas duas cartas à igreja de Tessalônica são quase totalmente devotadas a esse tema. Em nossas igrejas, raramente falamos sobre esse assunto, que consideramos de menor importância. Preferimos falar sobre prosperidade e sucesso profissional e alta estima.

Analisando friamente seu ministério, vemos que é errático e de pouca duração em cada lugar. Primeiro, a Síria, depois, Chipre, vastas regiões da Turquia, Macedônia, Grécia, Itália, e agora o senhor fala em ir à Espanha. Achamos que a concentração é mais importante do que a dissipação dos esforços. Não se pode querer abraçar o mundo inteiro sozinho.

Seus sermões são muito longos. Em certa ocasião, um rapaz que estava sentado em um lugar alto, adormeceu após ouvi-lo por várias horas, caiu e quase quebrou o pescoço. Já está provado que as pessoas perdem a capacidade de concentração após trinta ou quarenta minutos, no máximo para as pessoas se sentirem bem. Nossa recomendação aos nossos pastores  é: Pregue pouco e dê as pessoas entretenimento; dança, teatro, jogos, gincanas, festa junina e carnaval adaptadas ao evangelho, filmes e festa da pizza, mais você não aceita isso, prefere somente a pregação.

O Dr. Lucas nos informou que o senhor é um homem de estatura baixa, calvo, de aparência desprezível, de saúde frágil e que está sempre agitado, preocupado com as igrejas e que nem consegue dormir direito à noite. Ele nos disse que o senhor costuma levantar durante a madrugada para orar. Achamos que o ideal para um pastor é ter uma mente saudável em um corpo robusto. Uma boa noite de sono também é indispensável para garantir a disposição no trabalho no dia seguinte.

Recentemente, o senhor escreveu a Timóteo dizendo que "lutou o bom combate". Dificilmente pode-se dizer que a luta seja algo recomendável a um pastor. Nenhuma luta é boa. O senhor diz "lutei contra as bestas feras em Éfeso". Que raios quer dizer com essa expressão? você quer dizer que as igrejas quem estão fora da doutrina são bestas feras?

Então, em mais de 90% das igrejas do Brasil você seria rejeitado nós também o rejeitamos.

Sem mais, Pr. José Amante de Si Mesmo.

Igreja Correndo de Deus.

Endereço: Rua dos Cinemas
Bairro: Parque dos Entretenimentos
Cidade: Mundanópolis
Estado: Estado de Engano.
Numero: 666
Como chegar na igreja: Pega o metrô do desejo por prosperidade e desce na estação do fanatismo por futebol, entra na rua das roupas sensuais, depois entra na segunda rua a direita na rua da tv tira visão espiritual e pronto chegou à igreja que os pastores pregam o que você quer ouvir.


''Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.1 João 2:15''

Obs: Está postagem é imaginária, mas o conteúdo é o retrato da maioria da igreja atual, materialista e mundana sem compromisso com a sã doutrina, e que busca pastores que apõem o que eles amam, os prazeres do mundo.

27 de junho de 2017

Reflexão

"Viver na sã doutrina incomoda os mundanos tanto quanto fixar os olhos no sol"

22 de junho de 2017

ADORAÇÃO HOLLYWOODIANA



Uma das maneiras que esta geração acredita que a sua necessidade de realização pessoal possa ser satisfeita é através do entretenimento. Infelizmente, a igreja foi contagiada por esta onda. Muitos líderes entendem que esta geração está buscando diversão, por isso adaptam suas igrejas a essas “necessidades", o que em grande parte explica seu crescimento fenomenal. Nesse contexto, a adoração que deveria ser em “espírito e em verdade”, passou a ser no estilo hollywoodiano, ou seja, coisas artísticas devem ser oferecidas ao Senhor como expressão de adoração. A adoração passou a ser passatempo, passou a ser vitrine de talentos próprios, uma expressão de dotes artísticos, estando, portanto, arraigada no desempenho humano.

Alguns pensam que o que determina a verdadeira adoração a Deus é a estética. Na adoração hollywoodiana, Deus passa a ser um “esteticista” sentado no céu assistindo com apreciação a beleza e a habilidade própria, ou seja, Deus é a platéia e os “adoradores” são os artistas. Deus passa a ser um espectador satisfeito com a performance estética dos “adoradores”. Em muitos templos a adoração a Deus transformou-se em Show, o verbo “to Show” do inglês significa apresentar, expor. Então, a palavra Show é a mais apropriada para os chamados “Shows evangélicos” porque na realidade não se trata de verdadeira adoração e, sim de uma apresentação, uma exposição. Nesses Shows prevalecem ginásticas rítmicas e psicodélicas de grande estímulo sensual. As pessoas estão iludidas de que devem expressar seus louvores a Deus com danças, movimentos corporais e dramas. A reforma protestante substituiu a pompa, a performance artística e esplendor estético pela simplicidade e fidelidade à Bíblia. A reforma protestante rejeitou as habilidades artísticas e a adoração teatral como expressão de adoração. O pastor e teólogo D.M.Lloyd Jones disse: “a reforma protestante acabou com as “peças ministeriais”, com as representações dramáticas na igreja, é muito triste observar que pessoas estejam tentando nos levar de volta àquilo que os reformadores rejeitaram”. Os promotores da adoração hollywoodiana provocam sensações com o objetivo de produzir euforia, histeria coletiva. O negócio é sacudir as emoções do povo. O grande mal desse tipo de adoração é que ela cria uma espiritualidade sintética, plástica, fantasiosa, não real e passageira. A conseqüência imediata é que uma pessoa pode viver escandalosamente no pecado e participar animadamente desse tipo de adoração, pois a ênfase não é racional, não passa pela consciência, portanto, não levando à tristeza segundo Deus por se estar em pecado.
Quando o que determina a adoração é um critério estético, a música passa a ser um meio de aguçar os sentimentos, de promover empolgação carnal, o que gera um estado emocional artificial. Ademais, nesse tipo de adoração o “adorador” passa a ser um animador de palco, um promotor de trivialidades. Nesse contexto a igreja se transforma num grande circo, numa casa de Show. O templo se transforma literalmente num “clubão” onde a reverência, a grandiosidade e a glória de Deus são postos de lado.

Um dos problemas da adoração hollywoodiana é que ela leva as pessoas a perderem o senso de separação entre a igreja e o mundo. Paulo disse a Timóteo “rejeita as fábulas profanas” (I Tm 4:7) estas fábulas têm muito a ver com o estilo de adoração hollywoodiana. Aqueles que ensinavam estas fábulas tomavam personagens do Antigo Testamento e os maquiavam, fabricando acontecimentos e mensagens muito além do que fora transmitido pelo texto. Eles apelavam astuciosamente ao gosto popular, e suas histórias prendiam a mente dos ouvintes. Sem dúvida, esses contadores de histórias possuíam imenso carisma, e suas histórias eram memoráveis. Era um modo fascinante de divertir o povo. No entanto, ao ordenar a Timóteo que rejeitasse as fábulas, Paulo usou uma palavra interessante. Chamou-as de profanas, uma palavra que indica o oposto de reverência e respeito. Assim é a adoração estética à moda Hollywood, inventa atrativos após outro com o propósito de agradar e divertir o povo. Substituem a verdadeira adoração por luzes, fumaça, brincadeiras e gaiatices, onde a reverência é abandonada, dando lugar à superficialidade e à emoção vil. O “deus das possessões” está muito presente no meio evangélico. Alguns cantores exigem o pagamento do cachê, em dinheiro antes da apresentação, do contrário recusam-se apresentar-se diante da multidão que os espera. Outros mudam de igreja ou equipe musical quando começam a achar que não vão ter futuro financeiro promissor. É um verdadeiro mercantilismo revestido de muita carnalidade.

A música evangélica jamais deve ter como propósito final e visão final o dinheiro, o lucro. Em nenhuma parte das Escrituras nos deparamos com situações onde os levitas cantavam e faziam apresentações para o povo. A verdade é que todo o povo louvava e adorava ao Senhor juntamente com os diretores de música e cantores. O apóstolo Paulo não queria para si além do que cobrisse suas necessidades imediatas. Ele nunca fez exigência financeira nem nunca impôs regras que lhe trouxesse benefícios como fazem esses “adoradores” de hoje. É preciso entender que o verdadeiro adorador é aquele que busca o Reino de Deus e não aquele que edifica seu próprio império. No coração do verdadeiro adorador não há espaço para monumento ao homem. O verdadeiro adorador está consciente de que ele é o que é pela graça de Deus. O marketing tem tomado conta do meio evangélico de tal modo que já se criou graus de qualidade para classificar as bandas e os grupos de cantores: ruim, regular, bom e excelente. Soube de uma cantora que foi ministrar o período de louvor em um retiro de jovens e, logo de início ela disse: “No final do louvor haverá uma secção de autógrafos”. Veja aonde chegamos! Em Gálatas 5:26, Paulo admoesta: “não nos deixemos possuir de vanglória”. Deus não procura estádios lotados, igrejas abarrotadas, auditórios cheios, músicos profissionais nem cantores famosos, Deus procura verdadeiros adoradores!

9 de junho de 2017

Reflexão

"O pecado é um desafio à justiça de Deus, um roubo à sua misericórdia, um zombar de sua paciência, um desprezo ao seu poder e um desdém ao seu amor"

31 de maio de 2017

A LEI DA PALMADA: UM PROJETO MALÍGNO





Há muitas opiniões sobre a educação dos filhos. Cada pai e cada mãe têm uma opinião como a educação deve ser feita. Em face de tantas opiniões divergentes há um padrão para todos os pais, há absolutos. A Bíblia é a Palavra de Deus e como tal, é o único livro não adaptado às opiniões, filosofias do homem ou leis humanas. As Sagradas Escrituras se mantêm estável em todas as épocas. É sempre atual e por isso não é carente em nenhum ponto para ser aplicada em qualquer situação, especialmente, na educação de filhos. Portanto, se a educação dos filhos não for fundamentada na Palavra de Deus, o filho não terá orientação adequada para todas as áreas da sua vida.




Nenhuma família pode se desenvolver adequadamente sem limites e regras que incluam recompensas e castigos. Isto é especialmente importante na primeira infância, quando o caráter moral ainda não está formado e as crianças não entendem motivos morais. A mais leve ofensa de uma criança quebrando as regras do lar não deve ficar sem a devida correção; pois, se ela achar clemência ao transgredir uma regra, esperará a mesma clemência em relação a outras ofensas, e sua desobediência se tornará mais freqüente, até que os pais não tenham mais controle. Portanto, desde cedo a criança precisa aprender que quem vive sem disciplina se dá mal.




Deus deixou deveres para os pais no tocante à educação dos filhos. De acordo com a Bíblia, os pais não devem se constranger em corrigir seus filhos, “Quem se nega a castigar seu filho não o ama; quem o ama não hesita em discipliná-lo” (Pv 13:24). O próprio Pai celestial ama e disciplina (Hb 12:16). Pais omissos quanto à correção, arruínam seus filhos. De acordo com a Bíblia é necessária uma correção corporal para gerar um coração sábio “A vara e a disciplina dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma vem a envergonhar a sua mãe” (Pv 29:15). Em Provérbios 22:15 e 19:18 Deus afirmou: “A estultícia está ligada ao coração da criança, mas a vara da disciplina a afastará dela; castiga a teu filho, enquanto há esperança, mas não te excedas a ponto de matá-lo”. Nesses versículos, Deus deixa claro que não tem o propósito de incutir-nos a idéia de que nosso lar deve ser caracterizado por um reino de terror onde se tortura e se espanca. Mas, os filhos devem ser disciplinados, castigados de tal maneira, que não percam o respeito e as afeições por seus pais.




Na Bíblia não há incentivos para espancamentos. O uso da vara não faz páreo com maus tratos. A correção corporal que a Bíblia ensina não é o direito de bater no filho a qualquer hora por qualquer coisa. A vara da correção é para ser usada só na hora de disciplina e isso para corrigir um erro. É necessário que a criança entenda antes da aplicação da correção exatamente o que foi o erro. O uso indeterminado da vara provocaria o filho à ira e semearia ódio algo que a Bíblia manda que os pais não façam “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira” (Ef 6:4).




Por causa de excessos de alguns pais descontrolados, o princípio Bíblico da vara da correção é julgado como criminoso. Ora, o fato de facas serem usadas muitas vezes em crimes não implica que o uso de uma faca na cozinha é um crime. O uso da vara produz sabedoria ao ponto de até salvar a alma “A vara e a disciplina dão sabedoria; tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno” (Pv 29: 15; 23:14). A vara comunica amor sem nenhuma possibilidade de machucar a criança psicologicamente.





A opinião pública acha que não é possível usar a vara sem mal tratar o filho, mas os pais que a usam de acordo com o padrão Bíblico sabem que a disciplina aplicada no lugar certo e na maneira certa não traz trauma a ninguém e sim produzem frutos pacíficos que é descanso à alma “Toda correção, no momento não parece ser motivo de alegria, mas de tristeza; mas depois, produz fruto pacífico aos que têm sido por ela exercitados” (Hb12:11). Nenhum destes frutos virá sem o uso correto da vara! Vale salientar que o chavão “Eu apanhei quando criança e não quero bater nos meus filhos” é o mesmo que dizer: “Minha mãe era gorda, por isso eu não alimento meus filhos”.




Diante do exposto, não há dúvida que o projeto de Lei 7.672 conhecido como a Lei da Palmada é anti-bíblico, portanto, maligno. Na verdade essa Lei quer criar uma sociedade de monstros.




Ir. Marcos Pinheiro

29 de maio de 2017

A IGREJA MERCADO-TEATRO

Nesse tempo do fim, Satanás está lançando mão de suas últimas armas. Líderes estão dando ao povo um evangelho macio, adaptado aos padrões do mundo. Roupas na igreja? Qualquer uma serve: mini-saia, short, vestido transparente, tomara que caia. Música? “Rock cristão”, “samba evangélico”, “forró gospel”. A igreja atual é um templo-mercado-teatro. Mercado porque tem lucro de milhões em rendimentos com ações e aplicações financeiras. Teatro porque Deus tem sido tratado como um palhaço numa gaiatice de circo. Enfim, a igreja tem se transformado num grande parque temático. Nesse contexto, a fiel pregação da Palavra é substituída por anedotas motivacionais.


Os líderes da igreja Mercado-Teatro consideram a sucessão pastoral como se fosse uma empresa familiar, algo hereditário. Consagram seus filhos, sobrinhos e genros a pastores. Esses homens nunca perdem o senso de negócio. Por isso, fazem do ministério um cabide de emprego a fim de controlar e manipular os crentes-clientes. A igreja Mercado-Teatro é “rica”, “esplendorosa”, laodiceiana. Mas, o Senhor sente náusea e a vomitará!


O grande problema das igrejas Mercado-Teatro é que seus adeptos não estão envolvidos em koinonia cristã. As pessoas não se conhecem. Dirigem-se aos cultos-shows em busca de uma resposta mágica para seus problemas, inclusive, para o sucesso de seus negócios. O lema dos pastores dessas igrejas é: “Venham para minha igreja, temos tudo o que vocês necessitam: campanhas proféticas, orações proféticas, massagens de ego e culto dos empresários.


Os pastores das igrejas Mercado-Teatro estão travestidos de um “cristianismo judaizante”. Para impressionar seus fregueses, usam a terminologia incorreta para o templo sede chamando-o de santuário e suas congregações de catedrais. Aos seus cantores os chamam impropriamente de levitas.


Todo o Antigo Testamento aponta para Jesus e tem Nele o seu cumprimento. Ele cumpriu toda a lei (Mt 5:17). Ele é maior do que todo o cerimonial e o templo. Ademais, o ministério sacerdotal que inclui os levitas, se encerrou no Antigo Testamento. Todo ministério sacerdotal foi substituído integralmente por Jesus. A Bíblia diz que Jesus é o nosso sacerdote no céu (Hb 10:21) e sacerdote para sempre (Hb 5:6). No Novo Testamento não existe mais a figura do “sacerdote” se referindo a homens, a não ser em 04 ocasiões onde ela aparece no plural (1 Pe 2:9; Ap 1:6; 5:10; 20:6), nestes casos se referindo à toda igreja, ao conjunto do povo de Deus, como sacerdotes do Senhor. É o que Martinho Lutero chamou de: O Sacerdócio Universal de Todos os Crentes. Na relação dos dons citados nas Escrituras (Ef 4:11; 1 Pe 4:9-10; 1 Co 12:8-10; 28; Rm 12:6-8) não aparece o dom de “levita” e nem faz qualquer menção a ministérios sacerdotais.


Lamentavelmente, muitas igrejas históricas caíram no laço “macedoísta”. Criaram o chamado “culto dos empresários” onde se ensina a “fé do retorno financeiro”, ou seja, a “fé dolarizada”, “a fé eurolizada”. Você planta Real e recebe a recompensa de Deus em Dólar e em Euro. Que mentalidade pecaminosa!  Os líderes das igrejas Mercado-Teatro não enxergam um palmo além do próprio umbigo. O mamon ocupa suas megalomaníacas fantasias o que os fazem distanciar anos-luz da igreja primitiva em generosidade, amor, compaixão e comunhão com Deus.


Esses líderes se inspiram nos executivos de empresas de marketing de rede, como McDonald’s e Burger-King. Alardeiam a expansão de seu império e exibem suas aquisições materiais como sendo “bênçãos”. Justificam seu “sucesso” pelo jargão: “A glória da segunda casa será maior do que a da primeira”. A ascendência desses líderes é notória por todos. Começam com um Fusca, depois um Pálio, depois um Eco-Sport, depois um Corola, depois uma BMW a prova de bala. Como chegaram ao topo do transporte terrestre, adquirem um Jatinho. Mais tarde, troca de esposa e vai morar numa cobertura na beira mar. Tudo é contado do púlpito como testemunho.


Esses líderes perderam a visão de que o Evangelho é sobre nossa intimidade com Deus e não sobre nossa comunhão com a ostentação. Cristo não é mais exaltado por ser o provedor de riquezas. Ele é mais exaltado por satisfazer a alma daqueles que se sacrificam pelo Evangelho. Paulo, Pedro, Estevão e tão grande nuvem de testemunhas deram-se ao martírio em nome da eternidade e não em nome da ostentação. Esses réprobos mercadores esqueceram que nosso compromisso é com a Jerusalém celestial e não com as coisas efêmeras desta vida. Simplicidade não é escândalo, nem maldição como quer a nefasta teologia da prosperidade. É urgente resgatar a credibilidade da igreja trocando a jactância pelo verdadeiro testemunho.


O verdadeiro Evangelho não tem nenhuma associação com o mundo de negócios, nem com sucesso de bilheteria.


Ir. Marcos Pinheiro

9 de maio de 2017

Verdade!

"Pecar é humano, mas perseverar no pecado é diabólico"

26 de abril de 2017

Reflexão

“As igrejas estão estabelecendo um cristianismo que gira em torno de servir a nós mesmos, quando na verdade a mensagem central do cristianismo é sobre abandonar a nós mesmos.” 

24 de abril de 2017

Deus convoca seus povo a interceder


Eu vi quando chegava um anjo voando e me dizia: O Senhor Deus me mandou vir te buscar pra você  ver o desespero do diabo com as almas, e que o Senhor da pra todas as almas oportunidades pra se arrependerem de seus pecados antes de darem o último suspiro de vida. Por que o espirito da morte o diabo saiu com fúria a tragar as almas para que  não se arrependam dos seus pecados, e assim ele possa levar para o inferno. Nesta hora o anjo me pegou e me levou em questão de segundos a vários lugares onde eu pudesse ver os laços de morte, me via andando pelos países e vendo mortes horríveis. Vi mortes de acidentes aéreos, e o desespero das pessoas, vi acidentes marítimos e me desesperei de olhar o desespero das pessoas morrendo sem socorro, vi acidentes ferroviários feios, vi acidentes de carros, enfim todo tipo que se pode imaginar eu vi. Vi pessoas que eram sequestradas desesperadas pedindo pra não morrer, vi assaltos com mortes feias, o que vi foi feio. Vi o espirito da morte entrando em todas estas vidas para matarem as outras de forma ruim e maléfica. E ele dizia (diabo) temos que matar muitas vidas ainda, porque havia vários demônios que causavam os acidentes. Nesta hora eu perguntava: Estas almas não tiveram tempo de se arrependerem e foram lançadas no inferno? Nesta hora o anjo me mostrava que em questão de segundos uma vida que ia morrer esfaqueada pelas costas a traição sem saber , sentia ânsia da morte. Uma oportunidade de questão de segundos para mim, mas para aquela alma era como se ela refletisse tudo da sua vida e tomasse uma decisão. Umas pensavam no pai, na mãe, nos filhos, no marido, infelizmente poucas eram as que se lembravam de DEUS nesta hora, Eu perguntei: Porque que na hora da morte eles se lembram destas coisas e não se lembram de DEUS? Ai o anjo me respondeu: Por que o coração delas esta cheio destas coisas  menos de DEUS. Ele dizia: Intensifiquem a intercessão pelas almas, para que elas tenham oportunidade de se arrependerem de seus pecados. E entreguem as suas vidas ao Senhor Jesus. Nesta hora eu abaixei a cabeça e chorei muito. e ele dizia: Ore, interceda e intensifiquem a oração por que o diabo esta desesperado pelas almas.

Entre no grupo de intercessão, para maiores informações, luisantoniojc@hotmail.com ou mande uma SMS para 077-98839-6615.


E apiedai-vos de alguns que estão duvidosos; e salvai alguns, arrebatando-os do fogo; tende deles misericórdia com temor, aborrecendo até a roupa manchada da carne. (Judas 1:22, 23)